Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sofá Branco

"Esta é sem dúvida a era das novas invenções para matar corpos e salvar almas, todas divulgadas com a melhor das intenções." - Byron

Sofá Branco

"Esta é sem dúvida a era das novas invenções para matar corpos e salvar almas, todas divulgadas com a melhor das intenções." - Byron

A Sangue Frio - Truman Capote

a sangue frio.JPG

  Gosto bastante de policiais no geral. O tipo de escrita que os acompanha, simples, desprovida de floreados e precisa cativa-me bastante. Fico triste com a falta de atenção que estes romances recebem, que rapidamente se depreende nas livrarias onde, se sequer há secção de policiais, está geralmente confinada a uma ou duas prateleiras num qualquer canto refundido. Regra geral podem ser histórias relativamente pesadas e talvez a falta de interesse nelas venha daí, mas o meu gosto e até preferência pelo género mantém-se inalterado. É curioso: aprende-se sempre muito ao ler seja o que for; ao ler policiais aprende-se bastante.

  Este A Sangue Frio, de Truman Capote, cuja escrita simples e directa se enquadra perfeitamente neste género, tem a particularidade de ser baseado numa história real e de estar tão de mãos dadas a essa realidade, que o género é denominado de "romance-documentário". Trata o assassinato de quatro membros de uma família de nome Clutter, residentes numa grande quinta isolada no Kansas (EUA) levado a cabo por Perry Smith e Richard Hicock em 1959.

  O livro está narrado e escrito de uma forma que diria genial. Capote soube ter calma ao escrever, soube não apressar a história, soube dar vida aos mais pequenos pormenores. Começa por falar dos membros da família, de cada um, das relações deles, das suas vidas; tudo isso a partir das suas acções no último dia das suas vidas. Depois salta o crime e passa directamente para a investigação criminal, para os testemunhos das últimas pessoas a vê-los, para opiniões públicas de várias pessoas na pequena povoação de Holcomb, perto da quinta dos Clutter, e na cidade mais próxima, onde são também uma família relativamente conhecida, Garden City. O autor faz também um excelente trabalho em mostrar como estes ambientes foram afetados com os assassinatos. Enquanto isso, por vezes dando saltos curtos no tempo da narrativa para trás e para a frente, descreve o trajecto dos assassinos que primeiramente fogem para o México, regressando mais tarde e percorrendo vários estados dos EUA.

  Bem ao estilo Noir, todas as personagens têm vida e ficamos a conhecer intimamente não só a família, como os assassinos, os investigadores encarregues do caso, e muitas outras outras personagens com quem todos estes vão interagindo.

  A Sangue Frio, adaptado em 1967 num filme com o mesmo nome - que não vi - é, pura e simplesmente, uma grandessíssima obra de arte literária.

 

PS: Há coisas curiosas. A certa altura do livro negam a Perry e "Dick" - como é conhecido - emprego num barco que tem destino ao Brasil, a um sítio onde "estão a contruir uma cidade onde antes não havia nada". Graças ao Éden que li há não muito tempo, sei que estão a falar da capital, Brasilia...

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogues

Youtube

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens