Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sofá Branco

"Esta é sem dúvida a era das novas invenções para matar corpos e salvar almas, todas divulgadas com a melhor das intenções." - Byron

Sofá Branco

"Esta é sem dúvida a era das novas invenções para matar corpos e salvar almas, todas divulgadas com a melhor das intenções." - Byron

Quando o Cuco Chama - Robert Galbraith

thumbnail_CAM00296.jpg

  Foi já há algum tempo que soube que Robert Galbraith é um pseudónimo de JK Rowling, a autora de Harry Potter. E tendo em conta que essa série é possivelmente a minha favorita de todos os tempos, estava bastante curioso para ler este livro. Já para não falar na capa incorrigivelmente cool.

 

  Quando o Cuco Chama é um policial puro, o que por incrível que possa parecer, em certa medida, nem é muito afastado daquilo que na essência os livros de Harry Potter eram: mistérios em que se andava à procura de um culpado. Saltando para a história deste livro, “Cuco” é a alcunha de uma modelo que morre e, enquanto toda a gente pensa que é suicídio, o irmão dela acaba por contratar os serviços de Cormoran Strike, detetive privado e personagem principal do livro, pois pensa tratar-se de homicídio. Não é nada de ridiculamente original mas isso é mesmo algo que faz parte deste género literário portanto não se podem retirar “pontos” por isso. O livro segue então o detetive e a sua assistente, Robin, enquanto vão falando com testemunhas e procurando pistas.

 

  Uma das minhas perguntas de partida ao pegar no livro era: “Será que se nota que é a mesma autora?” Para ter a resposta afirmativa a essa pergunta basta ler o primeiro parágrafo. Esta senhora é dos melhores escritores que já tive o prazer de ler. Das palavras saem imagens ridiculamente nítidas das pessoas, situações e locais. Os diálogos são fantásticos, nem informação a mais nem a menos, e ela consegue “escrever” sotaques como ninguém, o que é raro, normalmente ‘soa’ sempre mal. Surpreendente também, é a quantidade de comédia que há neste livro. Nada de risadas de boca cheia, afinal é um policial, mas sim humor situacional. Especialmente entre as duas personagens principais, Strike e Robin, que estão os dois incrivelmente bem escritos. Strike é um ex-militar que perdeu parte de uma perna na guerra e que, como tal, coxeia durante o livro todo, o que lhe dá um ar bastante cool, diga-se de passagem. Robin é uma recém-chegada à cidade que, antes de conseguir encontrar um “trabalho a sério”, está numa empresa de trabalho temporário e acaba por gostar mais de trabalhar para um detetive privado do que estava à espera.

 

  JK Rowling escreveu então mais um livro fenomenal. E esta saga já conta com outros dois livros que não posso esperar para ler!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogues

Youtube

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens